Quem foi Winnicott…

Donald Woods Winnicott (1896-1971) nasceu em Plymouth, na Inglaterra em uma família de três filhos, tendo mais duas irmãs. Seu pai era um comerciante e empreendedor próspero, com uma vida pública importante. Sua mãe uma dona de casa com tendências depressivas e uma saúde debilitada.

Em 1917 decidiu iniciar sua formação em medicina, servindo a Marinha até o fim da Primeira Guerra Mundial. Foi o primeiro médico pediatra a tornar-se também um psicanalista. Em 1923, inicia sua prática clínica como pediatra no Queen´s Hospital for Children e também no Paddignton Green Children´s Hospital, trabalhando por quase 40 anos.

Durante sua formação como médico começou a se interessar pela psicanálise e pelas obras de Freud, uma vez que não conseguia lembrar de seus sonhos. Fez análise por quase dez anos com James Strachey, o tradutor das obras de Sigmund Freud para o inglês, e após mais cinco anos com Joan Riviere importantes psicanalistas de sua época.

Em 1927 Winnicott foi aceito como iniciante na Sociedade Britânica de Psicanálise e em 1935 finaliza sua formação como analista de crianças. Foi presidente da SBP por duas vezes, fez palestras radiofônicas para as mães durante a guerra. Pode-se dizer que foi pioneiro em estudar os aspectos psiquiátricos com a prática clínica pediátrica.

As experiências que adquiriu trabalhando com crianças e suas mães nos hospitais e em seu consultório foram muito importantes para a construção de suas teorias. Foi inovador ao propor uma teoria do desenvolvimento emocional do ser humano da saúde, pautada no relacionamento estabelecido com a mãe suficientemente boa e o bebê. Também se propôs a reavaliar a importância da sexualidade e do complexo de Édipo no desenvolvimento saudável e patológico.

Para Winnicott, o bebê nasce imaturo emocionalmente para poder reconhecer e compreender o mundo externo ao seu redor, e ter sentimentos de amor, ódio, inveja com o ambiente. Inicialmente, ele necessita de cuidados essenciais e uma série de conquistas integrativas para que possa quando criança ter condições te ter relações edípicas. Neste sentido, para se chegar ao Édipo é preciso uma maturidade emocional.

Também o conceito de criatividade revela ser muito original em sua obra, sendo entendido como um potencial humano inato. O autor acredita que este potencial humano está presente desde a fase intrauterina e, é a partir do relacionamento com a mãe que as experiências criativas possibilitam a constituição de um si mesmo real e espontâneo. Desta forma, são as experiências criativas vividas desde o nascimento e ao longo da vida presentes no brincar, na arte, na religião e na cultura que possibilitam o prazer e o sentido na vida.

Em 1951, publica um artigo sobre os objetos e fenômenos transicionais, tornando conhecido mundialmente. Entre suas principais obras podemos citar ainda o livro Natureza Humana (1954), O Ambiente e os Processos de Maturação (1961).

De modo geral, pode-se dizer que Winnicott foi um pensador que se dedicou a aplicar suas teorias, a ampliar o método de tratamento psicanalítico e a entender o ser humano tanto no seu desenvolvimento saudável quanto patológico.

Morreu em 22 de janeiro de 1971, após a piora de seu estado de saúde e infarto no miocárdio.