Ritmo: um organizador do psiquismo

                           

 

                         “Eu quero a revolução

                    mas antes quero um  ritmo”

                                                        Adelia Prado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conheci um menino que acaba de ganhar um irmãozinho , ainda antes de desmamar.

Perto de fazer 2 anos , mama antes de dormir, já come bem e vai a escola, brinca e fala. Mas, com essa novidade tremenda na sua casa, agora reluta em dormir. A mãe, cansada, que amamenta o dia todo o menorzinho, precisa que ele compreenda esse novo limite. Conta que agora ele não quer deixar de sugar, fica por muito tempo “grudado” no peito. Conheci também uma mocinha que só  consegue dormir com o celular do lado, vendo sua série favorita. Acorda cedo para a escola e sente sono nas duas primeiras aulas. Os pais  pensaram em alguma maneira de desconectar a internet dela depois das 22h. Mas ela , esperta, usa a rede da vizinha. E tem o jovem que combina de jogar video game on line com os amigos e passa da meia noite facilmente- inclusive descobriu um jeito de fingir dormir para depois levantar na calada da noite para voltar ao jogo. Numa noite o pai acordou indisposto e foi aquele Deus-nos-Acuda. Quanto mais limites ao jogo os pais colocam, mais aumenta seu desejo de jogar… Por outro lado, a mãe de um mocinho muito parecido com este outro dorme somente com o seu “Stilnox”. Como ela, outros tantos vem desaprendendo a dormir e se descuidando dos rituais saudáveis que o dormir pede ao corpo: não precisa diminuir o ritmo, se tem um indutor de sono a disposição. Voce  pode estar “à mil” e daí BUM : basta tomar o remedinho, para dormir em cinco minutos.

Conheço também um cara muito bacana, pai de dois filhos, que não almoça nem toma café  da manha. Até as duas, três da tarde, passa com café e cigarro, não sente fome. De noite faz uma lauta refeição. Ele é magrinho, mas um outro senhor que conheci teve de fazer cirurgia bariátrica, aquela da redução de estômago. Tinha os hábitos semelhantes,estava muito obeso e comia somente de manha e muito tarde a noite; pois passava o dia na sua loja dentro da estação do trem  sem nenhuma pausa para lanchar ou descansar. Tudo que é  simples ( ou deveria ser) no corpo, depende de um certo ritmo. Dormir e acordar. Comer, trabalhar, descansar. Ir ao banheiro todos os dias. Uma amiga começa sua segunda graduação. Sente que perdeu muito tempo, por isso estuda todos os dias, inclusive sábado, domingo. Muitas horas seguidas. Não percebe que sua capacidade de concentração flutua, e sem fazer as devidas pausas acaba por gastar parte do seu tempo de forma contraproducente. Se sente muito cansada, ansiosa.

Ritmos. Pausas. Cadências. Cada pessoa tem a sua necessidade de sono, de sexo, sua fome, sua capacidade de concentração. Alguns se sentem muito mais espertos de noite, outros se irritam muito quando passa a hora de comer, ou tem enxaquecas. No filme ” O Novíssimo Testamento” a menina divina escuta o coração de cada pessoa e diz a musica que ouve em cada um. Cada um de nós teria um ritmo , uma melodia particular. Mesmo no jeito de falar diferem as pessoas. Nas pausas para respirar. No fluxo do pensamento. E os bebês ja tem seus ritmos dentro do ventre materno. Bebês e mães podem ter os seus ritmos semelhantes, sincronizando facilmente, ou nem tanto. Existem bebês que adoram barulho, passear. Outros tem um temperamento mais arredio. As sensibilidades também variam, muitíssimo. ao som, ao calor, aos estímulos do ambiente. Mas a descontinuidade e as mudanças de estado sempre incomodam os bebês. Quando são trocados, quando são despidos, quando são despertados. Um pouco como nós…quem nunca sentiu um desprazer quando o despertador toca, quando o feriado  acaba, quando esfria de repente.

Quanto mais imatura a pessoa, mais difícil para ela  lidar com as mudanças, as imposições do meio e dos outros, as mil interrupções da vida . Um bebê precisa de outro alguém a lhe garantir um ambiente reassegurador, tranquilo, e esta tranquilidade advém de muitos fatores: um deles o ritmo.

Cedo a mente humana aprende a perceber os padrões ritmicos do ambiente; e dentro do corpo somos também ritmo: respiração e coração. Mas o que é o ritmo? Ritmo é o contraste entre presença e ausência, continuidade e descontinuidade, na presença de certo padrão, no tempo. O que marca um ritmo é a repetição. A compreensão de padrões, mesmo que de forma intuitiva- ou principalmente desta forma-torna possível suportar a ausência e a falta, preencher as lacunas e as esperas; e é por isso que no cuidado com os bebês pequenos a rotina é algo tão importante. O balançar acalma, o ninar é ritmico, a fala humana ao se dirigir a um bebê adquire uma tonalidade especial. Ao longo dos dias e do seu desenvolvimento , a criança, apoiada na previsibilidade dos ritmos maternos e do ambiente, aprende em pouco e pouco a tolerar e a esperar.

” No inicio o ritmo é um recurso para superar a violência da descontinuidade acalmando o bebe por meio da pluralidade de atividades ritmicas ( balanço, sucção, canto de ninar,etc). As experiências do bebê fazem-no confrontar-se com rupturas, descontinuidades, momentos de presença dos objetos que se alternam com ausências. Para evitar que isto  se revele traumático, é a ritmicidade da alternância presença/ausência  que vai  sustentar o crescimento mental”.  Para Vitor Guerra, autor da citação acima, a ritmicidade promove uma ilusão de permanência e continuidade verdadeiramente estruturantes para o psiquismo inicial.

Aquele menino se apega ao seio pois não está suportando agora, com a chegada do irmão, uma dose extra de descontinuidade em sua vida. Adolescentes tem dificuldade em deslogar, desligar, e se desorganizam facilmente. Adultos, também. Estamos demasiado acostumados com as máquinas. Comer, dormir, defecar, descansar: o corpo nos exige essas pausas que o ambiente moderno, que não pára de funcionar, nos nega. O Unibanco já era de 30 horas, antes de ser comprado pelo Itaú, imagina agora. E ninguém escuta mais o Adoniran que não quer perder o trem das onze. O trem das onze é o trem do sono: passou, perdeu, perdeu o sono. Não são apenas  os bebezinhos que precisam do ritmo e da rotina para se organizarem. Num nível profundo e  possivelmente  relacionado ao próprio desenvolvimento da mente, o ritmo aparece com elemento estruturante e organizador. Na vida adulta, ainda precisamos do ritmo e o buscamos para atingir estados mentais mais tranquilos, respirando, aprendendo a esperar e acolhendo os limites do nosso corpo , das nossas necessidades mais profundas , da finitude e da falta que nos constitui , humanos.

Para saber mais sobre o pensamento de Victor Guerra:

https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=el+ritmo+en+la+dimension+victor+guerra&btnG       

 

E aqui uma cena do filme ” o Novissimo Testamento”, filme belga de 2016. Recomendamos muito!

https://youtu.be/7LC0pTOQA4I?list=PLObaNLA3v3VwAnJxQlhbud-1-P5CsxX7B

O bolo de caneca

Por Odeliz Basile

A memória  guarda o seu passado. O olhar, o sabor, o cheiro, o toque, a cor a alegria e o dissabor vivido na infância de cada um de nós.

Toda criança é criança em qualquer tempo ou lugar do mundo. Cada um a seu jeito tráz na memória suas brincadeiras e brinquedos prediletos.

Quem não se lembra das cantigas de criança como: “Alecrim”, “Ciranda Cirandinha”, “Se essa rua fosse minha”,  “O Cravo brigou com a Rosa”, “ O sapo não lava o pé”, ou então, “ A barata diz que tem”, entre tantas outras canções.

Brincadeiras e brinquedos como boneca, carrinho de rolimãs, luta de espadas, bola, cabelereira, bicicleta, cabra cega , bater figurinha, esconde-esconde e futebol. Ou então, os brinquedos como  escorregador, gira-gira, gangorra, balança , bicicleta e patinete.

Leia mais

Quem foi Victor Guerra

 

Por Carla Braz Metzner

 

O psicanalista Uruguaio Victor Guerra dedicou a sua vida ao estudo, pesquisa e atendimentos clínicos da relação mãe/ bebê, da primeira infância, adolescentes e adultos.

Ele realizou por mais de vinte anos consultas terapêuticas em um jardim da infância inspirado nas contribuições tão importantes de D. Winnicott .
Estava trabalhando na sua tese de doutorado em Paris, sobre o ritmo e os indicadores de intersubjetividade no processo de subjetivação do bebê. Mas seu falecimento precoce interrompeu seu percurso, o seu trabalho e suas contribuições continuam reverberando entre nós.
Sua tese de doutorado será publicada em Paris com um evento em sua homenagem no dia 12/1/2019. Seu trabalho trouxe grande contribuição ao pensamento psicanalítico.
No dia 22 e 23 de junho de 2018 ocorreu uma homenagem para Victor Guerra em Montevidéu. O tema era : o que  nos ensinam os bebês? – Prof psicanalista Victor Guerra.
Neste evento o mais marcante era a transmissão de uma forma, de uma ética psicanalítica  presente no respeito ao outro, aos profissionais  e pacientes.
Na sua disposição de mente para fazer dialogar os autores e as teorias, que como ele dizia ,trazia movimento, ritmo e abertura para ir em busca do sofrimento humano e poder através da arte, da literatura e da poesia encontrar o assombro,  e a capacidade negativa como elucida o escritor john Keats. A Capacidade para viver a incerteza, o não saber, para poder lidar com o lamentável  e o sublime da condição humana, como assinala o escritor Octavio Paz tão apreciado por ele.
Victor foi coordenador da Fepal da área de crianças e adolescentes e foi um dos idealizadores da carta de Cartagena. Nos  trazendo a contribuição de varias associações e sociedades de psicanálise, se posicionando favoráveis ao tratamento psicanalítico do transtorno do espectro autista, reconhecendo toda experiência dos profissionais e produção de conhecimento construído pela psicanálise.
Victor encontrava na poesia sua inspiração para a clínica e para a vida, sua lista de escritores e poetas preferidos é muito grande, mas o escritor Uruguaio Felizberto Hernandez que aparece no fundo desta fotografia do Victor exerceu grande influência. Sua descrição dos personagens humanos, do seu mundo interno e seus dilemas despertaram seu interesse pela psicologia e psicanálise na adolescência, assim como sua experiência de vida com os imigrantes que frequentavam o boliche de seu pai e contavam suas histórias e seus dramas.
Os escritores brasileiros Ferreira Gullar e Manoel de Barros também foram sempre muito citados em seus trabalhos e em sua tese. E para também homenagear Victor neste texto cito um poema de Ferreira Gullar que ele gostava muito.

Despedida
Eu deixarei o mundo com fúria.
Não importa o que aparentemente aconteça,
se docemente me retiro.
De fato,
neste momento estarão de mim arrebentando raízes tão fundas.
Quanto estes céus brasileiros.
Num alarido de gente e ventania
olhos que amei, rostos amigos
tardes e verões vividos
Estarão gritando ao meu ouvido
para que eu fique , para que eu fique.
Não chorarei
Não soluço maior do que despedir-se da vida.
Ferreira Gullar

Abrir a possibilidade para novas narrativas: um desafio. por Angela Hiluey.

http://pepsic.bvsalud.org/pdf/vinculo/v15n1/v15n1a02.pdf

©2017 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

Abrir a possibilidade para novas narrativas: um desafio. Hiluey, A.

ABRIR A POSSIBILIDADE PARA NOVAS NARRATIVAS: UM DESAFIO

Angela Hiluey

RESUMO

Uma diversidade de narrativas pode enriquecer a vida humana, dada a possibilidade de atribuir significado à experiência relacional desde a vida intrauterina até a morte, postula Linares (2003; 2014). Por outro lado, conta-se com a resistência do ser humano a rever suas visões. Dada tal resistência, neste trabalho tem-se como objetivo mostrar uma ferramenta para auxiliar na construção de novas narrativas: a atividade artística-lúdica no atendimento a casais e famílias sob a ótica da abordagem sistêmico-integrativa. Tal ferramenta tanto permite que o ser humano, sem se dar conta, expresse sua angústia, quanto permite ser uma intervenção terapêutica propriamente dita. Através de um caso clínico, será ilustrado o planejamento da atividade lúdica; o uso da atividade proposta; e seus resultados. Constatou-se que novas percepções puderam ser referidas, e as mesmas permitiram a construção de novas narrativas familiares.

Palavras-chave: narrativas familiares; atividade lúdica; atendimento a casais e famílias; abordagem sistêmico-integrativa.

OPEN THE POSSIBILITY FOR NEW NARRATIVES: A CHALLENGE ABSTRACTS

A variety of narratives can enrich human life, given the possibility of assigning meaning to the relational experience from intrauterine life until the death, postulates Linares (2003, 2014). On the other hand, there is the resistance of the human being to revise its visions. Given this resistance, this work aims to present a tool to assist in the construction of new narratives: the artistic-ludic activity to care for couples and families from the perspective of the systemic-integrative approach. Such a tool allows the human being, without realizing it, to expresses his anguish, as it allows to be a therapeutic intervention properly said. Through a clinical case, will be illustrated the planning of the ludic activity; the use of the proposed activity; and their results. It was observed that new perceptions could be referred to, and they allowed the construction of new family narratives.

Keywords: family narratives; ludic activity; care for couples and families; systemic- integrative approach.

ABRIR LA POSIBILIDAD PARA NUEVAS NARRATIVAS: UN DESAFIO RESÚMEN

Una diversidad de narrativas puede enriquecer la vida humana, dada la posibilidad de atribuir significado a la experiencia relacional desde la vida intrauterina hasta la muerte, postula Linares (2003; 2015). Por otro lado, se cuenta con la resistencia del ser humano a revisar sus visiones. Dada tal resistencia, en este trabajo se tiene como objetivo mostrar una herramienta para auxiliar en la construcción de nuevas narrativas: la actividad artística-lúdica en la atención a parejas y familias bajo la óptica del abordaje sistémico-integrativa. Tal herramienta permite tanto que el ser humano, sin darse cuenta, expresa su angustia, como permite ser una intervencion terapeutica propiamente dicha. A través de un caso clínico, se ilustra la planificación de la actividad lúdica; el uso de la actividad propuesta; y sus resultados. Se constató que nuevas percepciones pudieron ser referidas, y las mismas permitieron la construcción de nuevas narrativas familiares.

Palabras clave: narrativas familiares; actividad lúdica; atención a parejas y familias; enfoque sistémico-integrativo.

“O mundo não é o que penso, mas o que vivo, estou aberto ao mundo, comunico-me indubitavelmente com ele, mas não o possuo, ele é inesgotável.”

(Merleau-Ponty, 1971, p.14)

Esta epígrafe nos oferece a oportunidade de nos apercebermos que enquanto tivermos vida teremos a possibilidade de aprender e assim poderemos tecer diferentes narrativas individuais e familiares.

Tais possibilidades podem nos estimular a enfrentar os desafios com os quais nos defrontamos na prática clínica. Temos uma vasta bibliografia na terapia familiar e em outros campos do conhecimento que são o nosso alicerce para seguirmos em frente. Tais pressupostos poderão auxiliar a autora a apresentar o objetivo desse trabalho.

Linares (2014) nos abre uma primeira porta para enfrentarmos tal desafio quando se refere ao sentido de sua expressão: Terapia Familiar Ultramoderna. O autor explicita que tem com essa terminologia o objetivo de estimular a abertura das janelas do território sistêmico para ares novos para que se alimente com aquilo que há de muito bom já presente na tradição psicoterapêutica.

No entanto estar aberto ao mundo, conforme a epígrafe permite vislumbrar, não é necessariamente uma possibilidade tão natural, e as palavras de Bion (1992, p.9-10) nos confirmam tal vislumbre:

(…) Mas todos nós odiamos a tempestade que implica o ato de rever nossas visões; é muito perturbador pensar que poderíamos chegar a mudar de parceiro, ou profissão, ou país, ou sociedade; assim, a pressão para dizer “daqui não passo” estabelece uma resistência ao aprendizado (…). (BION, 1992, p 9-10).

A presença da abordagem sistêmico integrativa por outro lado materializa o incentivo de Linares (2014) propiciando a integração das múltiplas escolas sistêmicas às contribuições de outras abordagens, dentre elas a psicanalítica, bem como de abordagens advindas de outros campos do conhecimento. Tal integração é fruto de uma postura aberta que favorece o nosso enriquecimento para nos ocuparmos das situações as quais a prática clínica nos apresenta, onde se constata que a mudança não é algo tão simples de ser conseguido.

Selvini, Sorrentino, Cirillo (2016) utilizam o termo pensamento sistêmico, complexo e integrado e, assim, revelam estarem intervindo, segundo uma postura integrativa.

Linares (2003; 2015) por sua vez ao escrever que narrativa é a atribuição de significado à experiência relacional, que ocorrerá desde a vida intrauterina até a morte, nos

mostra quão rica pode ser nossa vida com uma diversidade de narrativas. Essa narrativa, segundo Linares, é o ato de descrever a si mesmo e ao que lhe acontece, dando a isso uma coerência, o que por sua vez é cultural e pessoal.

Laso (2017) pode auxiliar a especificar o que favorece as mudanças. Laso (2017) discorre sobre como vem levando em conta e intervindo sobre o aspecto emocional na terapia familiar e de casal. Esse autor destaca dois princípios fundamentais para viabilizar a mudança emocional: (1) compreender o lugar onde se está e (2) ver ou ao menos vislumbrar o lugar para onde se dirigir. Compreensão e visualização são conquistas advindas da experiência emocional desses grupos, segundo o autor.

As considerações dos autores citados permitem evidenciar que o objetivo desse trabalho é mostrar uma ferramenta para auxiliar a construir novas narrativas dadas as dificuldades implicadas nesse processo. Tal ferramenta é constituída pelas expressões artísticas e o brincar, atividades descritas em outros campos do conhecimento e/ou modelos teóricos que podem ser integradas ao atendimento de casais e famílias.

Tornam-se importantes ferramentas uma vez que a possibilidade de escrever novas histórias é inesgotável. Por outro lado, já que sabemos que reavaliar nossas posições é assustador, que precisamos nos dar conta de nosso lugar na relação (o que ainda implica outras gerações) bem como visualizar novos caminhos antes de seguir adiante podemos perceber a complexidade do processo. Sendo assim, ter novas ferramentas que possam abrir possibilidades para novas narrativas pode nos ser útil na prática clínica.

Pereira (2010) ao discorrer sobre o tipo de intervenção para promover a Resiliência Familiar mostra que a mesma deve permitir que se reconheça na narrativa familiar o sofrimento, que dê sentido ao ocorrido e um significado que possa ser aceito por todos os membros da família. Ou seja, nesse contexto continente como recomenda Pereira (2010) uma tempestade emocional como postula Bion está vigente precisando ser nomeada. Esta afirmação permite o reforço da tese sobre a relevância de mecanismos para abrir possibilidades para construção de novas narrativas.

Nesse trabalho o objetivo é apresentar a atividade artística- lúdica como útil ferramenta para a terapia de casal e família ao mesmo tempo em que evidenciar tanto a relevância como o que está implicado no planejamento da mesma pelo terapeuta para se favorecer a possibilidade de conversar sobre as dificuldades vividas.

Fazem-se, então, necessárias algumas considerações sobre as possibilidades desse instrumental.

Kenzler (1995) escreveu que o ser humano se defende das emoções e para tanto utiliza mecanismos de defesa. Sendo assim, segundo Kenzler (1995) o uso de técnicas em que o ser humano expressa sua angústia, sem perceber o que está fazendo pode ser significativo. Aqui temos as artes e o brincar.

Fernandes (2003) por sua vez especifica diferentes linguagens que transmitem a informação tais como: as atitudes, a mímica, a palavra, a escrita, o desenho. A arte, segundo Fernandes (2003) em suas cores e sons, melodias, ritmos, compõe e expressa.

Dentre essas diferentes maneiras de comunicação está o brincar como escreve Winnicott (1971).

Green (2013) completa escrevendo que na realidade externa existe horror demais: guerra, delinquência, catástrofes naturais, epidemias, desemprego e terrorismo nesse nosso mundo.

Grenn (2013) pergunta-se como suportaríamos todos os traumas causados pela realidade sem o brincar onde no caso das crianças todos esses temas se encontram.

Andrade (1995) escreveu que nas diversas expressões artísticas o homem se coloca diante da realidade, ao expressar por meio de uma simbolização (a obra de arte) como estrutura seu mundo interior. A arte, pode, também, segundo ele, ser terapêutica, pois permite acessar a emoção tanto do criador como no público participante. O criador e o produto da criação são o porta-voz de como o homem aliou as sensações e percepções frutos de sua experiência pessoal e relacional. Através da arte forças oponentes podem ser integradas graças a sua qualidade integrativa.

Hiluey (2004; 2007; 2008) no contexto da investigação com alunos-médicos e famílias pode constatar a relevância de tal ferramenta para favorecer tanto o despontar do que angustia como para integrar percepções e informações. Novos caminhos podiam ser vislumbrados.

Para tanto uma ilustração prática parece ser oportuna e aqui se segue.

Pode-se constatar que “enganar” era o termo que melhor exprimia aquilo que vivia a Família Silva com seu filho de 11 anos. Essa vivência de ser enganado, respaldada por situações concretas gerava um sentimento de falta de confiança dos pais para com seu filho. A terapeuta tinha dados que lhe permitiam pensar que para os pais se aperceberem de seu filho não era algo simples. Eles possuíam alguns princípios e formas de educar filhos alinhados com as gerações anteriores e sua própria vivência enquanto filhos para os guiarem. Isso interferia significativamente impedindo que pudesse circular reconhecimento, valorização e carinho entre eles, o que favoreceria a possibilidade de seu filho ter uma vivência de ser amado, como descreveu Linares (2014).

A terapeuta optou por algumas técnicas expressivas as quais permitiram que um espaço fosse aberto para gerar novas narrativas que propiciaram a Família Silva experimentar um clima de confiança. Algumas das técnicas foram:

1) genograma lúdico que favoreceu que conversassem sobre as características das figuras de animais escolhidas para representar alguns membros da família o que gerou novas ideias sobre o relacionamento entre eles. Por exemplo o leopardo como um animal solitário; o hipopótamo como um animal altamente violento apesar de seus olhos doces. O diálogo possibilitou o reconhecimento da dinâmica estabelecida entre eles.

2) cada um escolher miniaturas em madeira de personagens, pessoas, animais, aves, objetos. A seguir se propunha conseguir as miniaturas que quisesse solicitando ao outro. Alguns dos temas conversados nesse jogo foram: que percebiam que através de truques até mímicos se engana para conseguir o que se quer; se aperceberam que tem coisas que não se quer dar; quem é enganado fica triste e com raiva.

3) leitura de conto infantil. Por exemplo: A toupeira que queria ver o cometa, de Rubem Alves. Onde se pode conversar sobre a prisão decorrente das próprias convicções que impedem de ver o que está diante dos olhos.

4) Ouvir a música: “Apenas tenha certeza que nunca está sozinho” (93 Million Miles). Solicitou-se que com recursos não verbais mostrassem como lhes chegou essa música. Pode-se conversar tanto sobre o que cada um esperava dos outros membros da familia como foram constatando o que lhes era possivel.

Pode-se sinalizar que a confiança parecia estar vindo a ser uma experiência possível entre eles.

Em sessões com o casal parental, o casal pode rever suas convicções sobre como

deveriam se portar como pais, versus sobre o que lhes era possível ser. Também puderam se aperceber de novas características do filho, até então não percebidas. Diziam eles: como a toupeira (referindo-se à personagem do livro infantil).

E assim uma nova narrativa despontou. Nessa nova história pais e filho lutavam focando três instâncias: a do querer, poder e dever enquanto iam se transformando, em família. Não estavam sozinhos, percebiam que tinham com quem contar, podiam confiar.

Comentários: a atividade artística lúdica
1) permite que se trate de temas penosos com seriedade, firmeza e humor, sem

necessariamente deixar de chorar e/ou mesmo ficar bravo;
2) o terapeuta deve propor atividades que no seu entender propiciarão que surjam os

temas que segundo sua percepção estão circulando no grupo familiar;
3) deve-se levar em conta as características das pessoas da família para escolher a atividade lúdica que possa lhes ser possível. Nem todas as pessoas se dispõe a

brincar, mas dependendo da brincadeira até podem se dispor;
4) aqueles terapeutas que tenham uma experiência no trabalho com crianças e adolescentes, em especial em ludoterapia, terão um conhecimento relevante para

utilizarem essa ferramenta no atendimento de casais e famílias.
5) o terapeuta deve ser significativamente participativo e utilizar seus conhecimentos teórico-técnicos em terapia familiar para fazer alinhamentos ao longo da sessão a

partir das novas informações e percepções circulantes.

No entanto mesmo estimulados por novas ideias vale lembrarmo-nos da mensagem de Antonio Machado: Caminhante, não há caminho. O caminho se faz ao caminhar.

REFERENCIAS

ANDRADE, L.Q. Pensando sobre diferentes linguagens. In: ELIEZER, J; Andrade, L.Q.; CARVALHO, M.M.J et al. A arte cura? Campinas- São Paulo- Brasil: Editorial Psy II, 1995, 118p.

ANDRADE, L.Q. Terapias Expressivas- Arte-terapia; Arte- Educação; Terapia Artística. São Paulo: Vetor. 2000. 180p.

BION, W. Conversando com Bion. Rio de Janeiro: Imago Editora. 1992, p.9-10.
CIRILLO, S; SELVINI, M; SORRENTINO, A.M. Entrare in terapia- Le sette porte della

terapia sistêmica. Milano: Raffaelo Cortina Editore. 2016. 327p.

FERNANDES, B.S. Arte-terapia e grupos. In: FERNANDES, W.J.; SVARTMAN, B.; FERNANDES, B.S. et al. Grupos e Configurações Vinculares. Porto Alegre: Artmed. 2003, 303p.

VINCULO – Revista do NESME, 2018, V. 15, N.1 5

Abrir a possibilidade para novas narrativas: um desafio. Hiluey, A.

GRENN, A. Brincar e Reflexão na Obra de Winnicott. São Paulo: Zagodoni Editora. 2013. 76p.

HILUEY, A.A.G.S. Uma experiência de aprendizagem no serviço de Medicina Fetal. 305p. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo- São Paulo. 2004.

__________. Doença de Alzheimer: histórias de família e análise dos relatos. 285p. Tese (Pós-Doutorado em Terapia Familiar) Escola de Terapia Familiar do Hospital de La Santa Creu I Sant Pau. Universidade Autônoma de Barcelona. 2007

__________ O aprender do médico-obstetra em um serviço de medicina fetal. In: MASINI, E; MOREIRA, M.A et al. Aprendizagem Significativa- condições para a ocorrência e lacunas que levam a comprometimentos. São Paulo: Vetor. 2008. p. 255- 283.

KENZLER, W. Soliloquio meditativo, cientifico, poético-antroposófico sobre ciência, arte, religião e cura. In: CARVALHO, M.M.M (org) A arte cura? Campinas: Psy II, 1995. P 80- 118.

LASO, E. Facilitando el cambio emocional en terapia familiar y de pareja. Disponível em:

HTTP://www.redrelates-boletin.org/facilitando el cambio emocional en terapia familiar y de pareja/

LINARES, J.L. ¿Acaba la historia en el posmodernismo? Hacia una terapia familiar ultramoderna. Redes: Revista de psicoterapia relacional e intervenciones sociales, Espanha: Paidós, v. 11, p. 31-47, 2003.

_______. Terapia Familiar Ultramoderna- a inteligência terapêutica. São Paulo: Editoras Ideias & Letras. 2014. 272p.

LINARES, J.L.; SELVINI, M. O sofrimento psicológico e o maltrato relacional como fonte de psicopatologia. São Paulo: Zagodoni Editora. 2015. 152p.

MCGOLDRICK, M; GERSON, R; PETRY,S;GIL,E. Genogramas Lúdicos. In:

MCGOLDRICK, M; GERSON,R; PETRY,S. Genogramas- avaliação e intervenção familiar. 3ed. Porto Alegre: Artmed. 2012. 328p.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos S.A. 1971, p.14.

PEREIRA, R. Trabajando com los Recursos de la Familia: Factores de Resiliencia Familiar. Sistemas Familiares. Año 26, no 1, PP. 93-115, Julio. 2010.

WINNICOTT, D.W. O brincar & a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora. 1975. 203p. VINCULO – Revista do NESME, 2018, V. 15, N.1 6

Abrir a possibilidade para novas narrativas: um desafio. Hiluey, A.

Angela Hiluey – Psicóloga; Doutora em Educação pela FE/USP; Pós-Doutora em Terapia Familiar pela Universidade Autônoma de Barcelona/Espanha; Diretora e Docente do CEF-Centro de Estudos da Família Itupeva – escola associada a RELATES-Rede Européia e Latino-americana de Escolas Sistêmicas; Member of the EFTA – European Family Therapy Association; membro titular da ABRATEF e da APTF. angelahiluey@yahoo.com.br